Menu

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Snoopy

As pessoas precisam aprender e entender que animal não é objeto. Que não se pode um dia acordar e decidir que quer ter um animal de estimação e no outro decidir que tem que se "desfazer" dele.


Fico MUITO chateada e triste quando isso acontece. Para ter um animal é preciso saber se vai ter dinheiro para bancar a alimentação, os remédios,  as consultas e os estragos que alguns filhotes fazem. Também é preciso ter AMOR, PACIÊNCIA e BOA VONTADE. 

Algumas pessoas querem que os animais pensem e ajam como os humanos. Esquecem que eles são sabidos e aprendem as coisas, mas eles são animais!

Em agosto doei o Snoopy (ver história  nas postagens antigas) para uma pessoa que dizia que queria muito um cãozinho, por precaução fui entregar o animal na casa dele. Como a pessoa trabalha com uma amiga fiquei um pouco mais tranquila.

No início desse mês ele me ligou me dizendo que não ia poder ficar com o animal porque o irmão dele de 11 anos estava com sinusite e Snoopy estava soltando muito pêlo. Pedi a ele uns dias para ir pegar o animal, mas ele me disse que tinha uma tia (mentira) que gostava muito de animais e queria adotá-lo. Concordei que a tia dele adotasse o animal, porém eu teria que ir junto com ele levá-lo para saber onde ele ia ficar e para trocar o termo de adoção. Ele concordou e me disse que me ligaria para avisar quando ia levá-lo.

Errei quando confiei nele e não fui pegar logo o animal. Depois de alguns dias recebi uma ligação de uma pessoa querendo saber informações sobre o Snoopy e ai começou uma nova etapa da história.

A menina me falou que recebeu o Snoopy do padrasto que é vendedor de gás, mas que não conhecia a pessoa que estava com ele antes. Ela chegou até a mim porque ele foi entregue a ela com o termo de adoção, onde tem meu telefone e e-mail.

Depois que ela me contou toda a história decidi deixar o animal com ela, mas seria necessário trocar o termo de adoção. Combinei que ia na casa dela para ver o animal e para fazer a troca do termo.

Dois dias depois ela me ligou me dizendo que o animal não era o "tipo" que ela queria e que ia devolvê-lo. Vou resumir a história porque é um pouco longa... No dia 13/10 fui pegar o Snoopy, que ficou um pouco desconfiado, mas depois que sentiu meu cheiro ficou muito contente.

Hoje ele está em minha casa esperando por um novo e verdadeiro lar. Espero que o próximo seja definitivo.

P.S. O primeiro adotante me garantiu que tinha dado a segunda dose da vacina (a primeira eu dei) e vermifugado novamente ele. Na verdade ele não fez nada, acredito que só tenha dado a comida e alguns banhos.

A queda do pêlo é ausência de um tratamento adequado, ele está com algumas falhas na pelagem e o sabonete que estavam dando banho nele (veio com ele) era para controle de pulgas e estava vencido desde dezembro/11, ou seja, sem nenhum efeito.

Ah! Ele veio também cheio de carrapatos. Dei um banho assim que chegou, tenho PAVOR a esses parasitas. E com um início de otite (que já estou tratando).

Espero que as pessoas envolvidas nessa história aprendam que só se deve ter um animal quando se tem a certeza de que poderá criá-lo até a sua morte.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Como é Bom Brincar...

Mesmo sem andar ela adora brincar...





quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Por Intercessão de São Francisco


Hoje é dia de São Francisco de Assis, protetor dos animais. 

No domingo (30/09) uma cadela pariu perto de onde moro, mas perdeu os filhotes (acho que uma parte nasceu morta e a outra ela comeu). Eu estava angustiada, primeiro porque ela ia parir na rua, depois porque o leite ia empedrar. Estava evitando me aproximar dela, me conheço, sei que não ia sossegar o coração enquanto não resolvesse tudo.

Liguei para uma protetora que me indicou um medicamento para secar o leite, que só hoje pude ir comprar.

Quando estava medicando a cadela chegou uma pessoa me impedindo de alimentá-la alegando que ia castrá-la. Em meio a uma confusão que aconteceu por causa de um guardador de carros que não queria permitir que lavasse a cadela, descobri que a pessoa era Maroilton um protetor que já tinha ouvido falar e que já tinha conversado com minha mãe sobre esse meu amor por animais, mas que eu nunca tinha ligado o nome a pessoa. 

Fiquei muito aliviada dele estar ali, de castrá-la, de fazer o pós-operatório e de ter a certeza que nossas preces são atendidas.

Devem estar se perguntando por que fiquei tão sensibilizada. Porque quando me aproximei dela fiquei APAIXONADA, ela é extremamente dócil, mansa e carente. Se não tivesse os meus cinco cães levaria ela para casa.

Sei que São Francisco fez a intercessão e que ela ficará bem.

Parabéns a todos os protetores. 

Fiquem com Deus!!!