Menu

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Como cuidar do seu pet quando ele estiver velhinho

Pensando nos meus velhinhos, Papita (+/- 14 anos), Papito (8 anos) e Puff (9 anos) achei que seria útil postar esse texto.



Assim como seus donos, os pets também precisam de cuidados especiais à medida que vão envelhecendo. No caso dos cães, as raças de grande porte tendem a apresentar os primeiros sinais de velhice entre os 5 e 8 anos de idade, enquanto os de médio e pequeno porte apresentam entre os 6 e 9 anos. Essas diferenças ocorrem devido as características do metabolismo dos animais. Nesse estágio de vida delicado seus órgãos ficam menos eficientes, deixando nossos mascotes suscetíveis a vários problemas de saúde, como doenças do coração, rins, perda dos dentes, catarata, surdez, diabetes, artrose, câncer entre outros.


Convivendo com seu animal todos os dias, pode ser que não perceba a idade chegando, porém quanto mais velho ele fica, menos disposição ele tem pra brincar e, portanto, menos energia ele precisa consumir. Seus dentes já não são tão resistentes e com isso a eficiência em processar alimentos diminui. Em razão da vida menos ativa, ele também pode ter excesso de peso, por isso alguns ajustes na dieta são necessários.Uma dica é, procurar as chamadas rações seniores adaptadas às necessidades nutricionais da idade avançada, elas são ricas em ômega-3, proteínas, zinco, fibras e pobres em gordura.

Entre os problemas que chegam com a velhice, os rins estão entre os primeiros orgãos a dar os sinais da idade, porém, por meio de um simples exame de sangue é fácil diagnosticar precocemente. Uma dieta rica em fósforo e pobre em proteína pode ajudar a evitar a progressão de doenças renais nessa fase da vida do animal.

Durante essa fase da vida também é natural que os pets desenvolvam artrite em suas juntas. Embora não tenha cura, existem diversas terapias que auxiliam no controle da dor, como a acupuntura e medicamentos específicos. É importante também solicitar ao veterinário um programa de exercícios apropriado, pois exercícios em animais idosos sem acompanhamento podem agravar o quadro da doença.

Visão, olfato e audição também merecem uma atenção especial nessa altura da vida do seu melhor amigo. Por exemplo, se achar que seu pet não está obedecendo, pode ser que ele não esteja ouvindo seu comando. Se ele estiver esbarrando na mobília, pode estar com a visão enfraquecida. Neste caso evite fazer mudanças na casa ou em sua rotina normal para não deixá-lo desorientado.

Como o pet tende a passar mais tempo deitado nessa etapa da vida, procure sempre deixá-lo em um local quente e livre de correntes de ar. Uma caminha acolchoada para evitar o desenvolvimento de calos também é essencial para seu bichinho de estimação não sentir tanto as limitações da nova condição.

O importante é que o conforto e a proteção não sejam esquecidos nessa fase delicada da vida do seu parceiro. Peça sempre a orientação do médico veterinário e não esqueça que a vacinação regular é tão importante nos pets idosos quanto nos mais novos.


Fonte: http://petmag.uol.com.br

domingo, 8 de abril de 2012

2 Aninhos

Esse mês o blog completa dois aninhos. Sei que estamos fazendo menos do que queriamos, porém fazendo nossa parte da melhor forma possível. 

Quem é protetor sabe o quanto é difícil passar por cima de coisas e pessoas (muitas vezes da família) para conseguir dar o mínimo de dignidade a esses animais. De como é difícil conseguir ajuda, já que a quantidade de animais carentes é maior do que a quantidade de voluntários.


Gostaria de dedicar esses dois anos aos que viraram estrela. Aos que lutaram pela vida, em especial a Bethoven, que não era de rua, mas fez parte de nossa vida durante 12 anos e a Billy que parecia que enfim tinha encontrado a "felicidade" , mas que Deus levou em tão pouco tempo de adotado.

A todos, meu sincero e eterno carinho.

video


...Qualquer dia, amigo, eu volto a te encontrar,
Qualquer dia, amigo, a gente vai se
 encontrar...

domingo, 1 de abril de 2012

Úlcera de Córnea

No mês de janeiro minha york de mais ou menos 14 anos apareceu com o olho direito pequeno e lacrimejando. Achei que não era nada muito grave e fiquei observando, como no dia seguinte não vi melhora levei-a ao veterinário. A médica diagnosticou uma úlcera na córnea, medicou e sugeriu que fosse feita uma consulta com o oftalmologista. Era uma sexta-feira e ele só ia poder atendê-la na terça-feira.

Depois da avaliação o oftalmologista constatou que além da úlcera ela estava com uma hemorragia ocular, que a visão já estava comprometida e que seria necessário uma cirurgia emergencial para que o olho não "estourasse". O piorar é que o hemograma indicava uma erliquiose.

Tenho muito amor por meus animais  e autorizei a cirurgia (flap), para que  ela não sofresse mais e para não ficar com um "buraco" na face.

Como ela só está comigo há 4 anos não sabemos o histórico dela. O médico deduziu que ela já tinha a erliquiose e só agora a doença se manifestou. Foi o que provavelmente causou a úlcera seguida da hemorragia ocular.

Correu tudo bem no dia da cirurgia, porém, por já ser idosa o olho terminou murchando e não foi feita a abertura. Mesmo enxergando de um olho só ela está mais ativa e feliz .

Resolvi escrever sobre o caso dela porque algumas pessoas não entendem como é importante manter os carrapatos longe dos animais. Que esses pequenos "sanguessugas" podem causar grandes estragos.